Hoje meu amigo divagava no carro sobre as sumidas repentinas das garotas que ele conhece na internet, que ele se envolve e então parte para o aguardado encontro. Claro que isso me leva a pensar no quanto as pessoas sempre criam expectativas em relação às outras quando a história começa na telinha [e não só nela].

Desenhamos a pessoa exatamente como queremos. A pessoa do outro lado também nos ajuda a cria-la. Fantasias são ótimas, mas geralmente elas nos decepcionam. Não sei exatamente como ele se coloca às suas pretês, mas sinto que elas sempre esperam mais do que ele realmente é. Elas até saem perdendo, pois ele é um ótimo partido. Enfim... uma hora ou outra ele acaba encontrando a tampinha da panela.

Até sugerimos para que ele procure pessoas mais normais, pois geralmente o perfil são de garotas insandecidas, as quais nos causam arrepios só pelas histórias que ele contam. O bom é que a gente sempre se diverte com as peripécias dele.

A resposta foi de que ele não gosta de garota normal. Pensei um pouco e perguntei:

- Eu e ela [a que estava no carro conosco] somos normais?

- Claro que não. - respondeu ele sem titubear

- Ah, então tá bom!

Menos mal... eu me sentiria frustrada se eu estivesse dentro das "normais". Eu gosto de ser diferente [mesmo que pouco].

Hora de ir... hoje é dia de ouvir jazz. Afinal a França adora jazz e eu sou masoquista.


Escrito por Desiree às 14h54
[] [envie esta mensagem]



A semana foi de decepções. Primeiro a notícia de que New Order não aterriza mais por aqui devido problemas pessoais. Todos os meus planos de ir para os pampas naufragaram. Claro que eu queria ver New Order, mas também era uma ótima desculpa de ir para lá. Porto Alegre é um dos lugares que mais vi pessoas bonitas por metro quadrado. Falam muito de Florianópolis, mas meu estilo é mais urbano, então eu prefiro Porto Alegre. Não vou. Continuo aqui me deleitando com a gaúchada que tenho conhecido nos últimos tempos. Alguém responda: o que eles fazem para serem sempre bonitos? Homens e mulheres!

A segunda foi a nossa prefeitura censurando o beijo gay no outdoor. O que é isso minha gente? Em pleno século XXI em uma cidade tão urbana e moderna [vamos esquecer os problemas neste momento] com um pensamento tão retrógrado. Vemos outdoors com mulheres nuas e de pernas abertas, mas homem beijando homem não pode. E se fossem duas mulheres? Seria censurado também? Já ouvi gente alegando que agride menos. Ahn? Alguém me explica o que é essa agressão? Agressão é ser assaltado no meio da rua, agressão é ser xingado, agressão é a quantidade de impostos que pagamos, agressão é a patifaria que é nosso planalto, agressão é gente morrendo de fome, agressão é gente morrendo de frio nas ruas, agressão é menor fumando crack e por aí vai.

Agora desde quando BEIJAR é uma agressão? O que importa quem está beijando? É hipócrita demais essa atitude, como tantas outras. Ousada foi a agência que criou a campanha e mais ousado ainda foi o cliente que topou faze-la.

Enfim... deixo aqui minha indignação diante da hipocrisia da nossa sociedade.


Escrito por Desiree às 06h29
[] [envie esta mensagem]



Problemas detectados há pouco [2h15 a.m.]:

- morar numa região bem localizada nem sempre é o melhor negócio, afinal tudo é tão perto, que você tem a esperança de conseguir dar "um pulinho" lá e voltar na seqüência. Simplesmente não funciona, em especial quando você já não paga mais para entrar nos lugares.

- colocar um sapato desconfortável para ficar pouco naquela festa que você quer ir, mas não deveria porque está dopada de trimedal e tentando se recuperar de uma gripe também não funciona, porque se a festa estiver boa, você se equilibra aqui, senta um pouquinho ali e quando se dá conta, a madrugada se foi e você pode ter poucas horas de vida depois.

- se convencer que só tomará água quando o preço dela é o mesmo que a cerveja também não existe. Pagar cinco reais numa cerveja já virou costume [por mais absurdo que pareça], mas cinco reais numa água dói.

- chegar em casa às 2h20 acreditando que precisa dormir e aí pensar que amanhã virá cedo para casa, alugará um dvd, fará um jantarzinho e passará a noite jogada no sofá é ilusão. Quinta-feira sempre tem as melhores festas. Você cogita em deixar o telefone desligado para não correr riscos dos amigos te convencerem a sair, mas aí lembra que alguém interessante pode ligar faz você desencanar de desligar o celular e ele não pára de tocar, porque a partir de quinta-feira ele deixa de ser um telefone comum e vira um CVV dos amigos à beira de uma crise, que te convencem a sair com eles para que eles se sintam melhor.

- a frase que a garota que senta ao seu lado no trabalho diz diariamente a você também é ilusão "sua vida é tão agitada que você não tem tempo de entrar em depressão", você fica em depressão quando conscientemente se dá conta de que não consegue cumprir as regrinhas básicas acima.

--> confissão: tomei apenas água nesta madrugada, mas o sapato machucou e eu não me rendi e fiquei 1h30 além do planejado


Escrito por Desiree às 20h15
[] [envie esta mensagem]



Tenho um amigo em especial com quem gosto muito de ter discussões sexuais [que nunca saem da teoria]. Nossas conversas renderiam ótimas teses de mestrado devido nosso aprofundamento no assunto em nossos papos geralmente regados a cerveja.

Ontem discorremos sobre:

- penis circuncisado
- sexo e o mundo [na nossa cama, claro!]
- orgasmo vaginal

Contei a ele o meu susto quando peguei um circuncisado na mão pela primeira vez. Minha ignorância no assunto fez eu acreditar que o moço tinha algum problema, em especial porque ele vinha de terras afegãs. Fiquei imaginando formas de torturas até o coitado ficar naquele estado.

O problema na época era para quem eu poderia perguntar o que significava aquela falta de pele. Felizmente alguém me explicou dois motivos plausíveis, então eu dormi em paz e sonhei com o moço [e seu apetrecho] circuncisado. Curiosamente após ele passar na minha vida, eu passei a preferi-los.

Ao contar a história, meu amigo perguntou o porquê e então eu discorri sobre minha teoria e também as dificuldades que tive para aprender a lidar. Por exemplo: como fazer para bater uma? Essa foi a grande dificuldade, mas tive um namorado nesta situação que pacientemente me ensinou como dar prazer a ele desta maneira.

Também acho higiênico e mais bonito esteticamente. Meu amigo sorriu e eu perguntei se ele fazia parte do grupo. Sorriu de volta dizendo que sim e eu quase o arrastei para o banheiro da padaria para ver como era. Não rolou!

Ele me perguntou se eu tenho orgasmos facilmente [é, parecia uma entrevista concedida à revista Nova]. Até tenho, o problema é que os homens tem síndrome coelhística. Ele acredita que a velocidade é quem determina o prazer da mulher. Ai ai ai. Comigo não funciona. Tem que alternar. Devagar para começar e aí vai aumentando o ritmo. É batata. Já o que chega apavorando, geralmente me deixa chupando o dedo.

A pergunta seguinte foi se orgasmo vaginal existe ou se é utopia. Existe sim, mas para a maioria das mulheres ele é difícil. Eu cheguei lá dessa forma pouquíssimas vezes. Somos um verdadeiro campo de estímulos e raramente a "vagina" funciona sozinha. Por isso, homens que pensam que somos uma ovelha inflável e apenas tira e põe, sempre nos decepcionam.

Já a classificação dos melhores por países é difícil. Afinal isso varia de homem para homem. Eu não sou perita no assunto, mas como passei um bom tempinho fora do trópico, tive a chance de saber [em especial nas rodas femininas em que essas discussões sempre surgiam] os preferidos.

Aviso para a decepção da maioria: na lista das amigas os italianos foram considerados os piores. Perderam até para os ingleses. Em ambos os casos eu não falo por mim, mas a teoria que ouvi é que os italianos em sua prepotência de serem os melhores deixam a desejar ao acreditar que eles por eles bastam. É "venham ao nosso reino e façam a nossa vontade". Resolvi nem arriscar.

Curiosamente os eleitos como melhores vinham de terras mais distantes, em especial do leste europeu. Eu não consegui descobrir o motivo, mas a mulherada adorava um ucraniano, russo, croata, esloveno e por aí vai. Também fiquei com essa pendência, se bem que teve um pseudo-afegão que mandou bem.

O que aprendi nessa minha vida é que todo mundo pode melhorar. Então se surge um "coelhinho" em nossas vidas, mas achamos que ele vale a pena, é só conduzi-lo para que aja da forma como gostamos. Mulheres também tem suas preferências que variam de uma para uma. Por isso eu sou boca aberta e sempre mostro o que gosto e o que eu não gosto e acredito que quanto mais ficamos com essa pessoa, mais o sexo pode funcionar, porque vamos conhecendo melhor um ao outro e sabendo de suas preferências até chegar no encaixe perfeito.

Ok, esse texto ficou com cara de revista Nova, então fecho dizendo que mãos, boca, língua são fundamentais porque coelhinhos só ficam na moda em março.


Escrito por Desiree às 07h39
[] [envie esta mensagem]



Não é fácil levar um fora. Também não é fácil dar um fora. Difícil também engolir um fora e dar aquela volta por cima ou mesmo fingir que o fora não está te afetando. Pode afetar a auto-estima, o orgulho ou mesmo algum sentimento que possa existir.

1x0 para a França. Às vezes me pergunto porque sou uma pessoa tão teimosa. Insistente. Nada mais chato do que insistir em coisas que alguém, além de você, não queira. Há momentos em que sou inoportuna. Tudo que eu quero, eu vou atrás. Isso pode incluir pequenas coisas, grandes causas ou mesmo alguém. Não tenho medo de "não". Tenho medo é de "e se...". Cruel.

Antes do fora, eu fui brindada no final do dia de ontem com uma doce surpresa. Um amigo que eu não via há exatos 10 anos surgiu do nada na minha frente como se os anos tivessem sido congelados. Lindo, simpático e sorridente como sempre. Menos cabelos, é verdade. Uma barriga que não existia, mas que não tira nada do charme que esbanja. Que saudades deu dos velhos tempos. Claro que relembramos uma vida, contamos a todos à nossa volta a forma curiosa como nos conhecemos e rimos com a coincidência do encontro. Ele é amigo de longa data de um amigo que conheci há pouco tempo atrás na internet.

Como comentou um amigo que ouvia a conversa:

- O mundo é um cu e estamos todos na mesma prega.

Com pesar eu tive que ir embora, pois um jantar me aguardava com outro grupo de amigos. O bom de ter uma vida social agitada é que não há tempo disponível para ficar mal com alguma coisa. O ruim de ter uma vida social agitada é que às vezes esquecemos de cuidar da gente. Foi o que eu ouvi no final desta madrugada.

No jantar pude matar as saudades de um velho amigo que mora do outro lado do oceano e que eu não via há algum tempo. Noite sabática perfeita para matar saudades.

E então a França aterrizou no meio do meu jantar, que coincidentemente era um jantar francês. Neste caso foi puro acaso. Todos especularam de canto se eu e a França tínhamos alguma coisa.

- Não. Ele tem namorada. Somos amigos.

- Ah, mas vocês já ficaram?

- Sim. Algumas vezes.

- Ah, se ele te enrolar muito, dê um chega pra lá, pois eu vou te confessar: te acho um mulherão.

Claro que fiquei envaidecida. O comentário veio de um cara que é sinônimo de charme e bom gosto.

- Obrigada. - respondi com as bochechas ardendo e virei um grande gole de vinho - mas não posso [e nem devo] esperar nada, pois ele já deixou claro o amor pela namorada e as sérias intenções em casar com ela.

Uma coisa é dizer sensatamente. Outra coisa é acreditar nisso. Acredito que as intenções sejam sérias, mas sempre há uma esperança [e muitas vezes a esperança é um grande mal] de que as coisas vão mudar, de que o cara vai se apaixonar, vai largar tudo e vai ficar com você.

Costumo ser durona comigo, mas isso não me isenta de ilusões.

E então, eu e a França começamos uma saga noturna até cair numa pista cheia e invadida por funk dos anos 70 e 80. Perfeito. Passamos a noite dançando, conversando, rindo e bebendo cerveja. Tudo perfeito até a frase errada cair de pára-quedas na hora errada.

- Gosto muito de você, mas quero que a gente seja apenas amigos.

- Sim, você já disse isso antes.

- Não quero mais que role sexo entre a gente.

- Ahn? - geralmente eu fico mais fácil do que deveria e ele toma a iniciativa de me arrastar para a minha cama [assumo que provoco, mas faz parte da minha natureza provocar].

- Não fique assim. Sei que você é super sensível, mas eu não posso continuar fazendo isso com a minha namorada. - tradução tosca

E então continuou falando e eu parei de escutar. Não queria mesmo, estava me fazendo mal e achei meio grotesca a forma de dar um fora. Não quer, ok! Mas ahhhh... é difícil ser sensível e falar de outro jeito? Mulheres nem sempre estão preparadas para levar um golpe final desta maneira. Eu pelo menos sou romântica demais.

Depois de desistir de tentar falar comigo e puxar meu queixo para se assustar com minhas lágrimas. Eu estava chorando pelo quê mesmo? Ah, pela dor de cotovelo maldita que me assolou. Afinal levar fora é difícil e dói um pouquinho.

Algumas horas depois, já relaxada e rindo de novo, conversando de novo, mas enchendo a cara para apaziguar a maldita dor de cotovelo que não tinha passado, eu desabei numa cadeira com um casal de amigos.

- Você é sociável demais, se preocupa demais com as pessoas, faz coisas demais e parece que esquece de cuidar de você. - comenta a namorada do meu amigo

Como eu estava sensível e alcoolizada, chorei. Desabei mesmo. Chorei até borrar o maldito rímel que juraram que era a prova d´agua. Peguei o espelho, sequei os olhos, passei batom e dei o sorriso mais amarelo do mês. E ela continuou pegando no meu pé e dando bronca. Disse também que eu preciso dar chance para arrumar um namorado. O problema está em encontrar o tal namorado, pois sou um pouco chata nas minhas escolhas e isso diminui muito as minhas chances de encontrar alguém. Por isso a dor de cotovelo aumenta ao levar fora de alguém que tem um monte de coisa a ver com você, que tem gosto similar, que é inteligente, bonito, gostoso.

Ele foi embora e eu preferi ficar ali curtindo minha fossa com a latinha na mão. Olhei para o céu e o dia raiava. Hora de ir embora também, afundar a cabeça impregnada por cheiro de cigarro no travesseiro para acordar numa ressaca brava que eu ainda estou tentando driblar.

Hora de trocar o time.

--> e como "juicebox" do strokes pode ser tão boa?


Escrito por Desiree às 09h03
[] [envie esta mensagem]



[ ver mensagens anteriores ]