Por que eles retornam?
Na adolescência o maior mistério para mim foi desvendado por um moleque de 15 anos e a resposta foi dada na revista Capricho. A questão era "porque quando estou namorando, ficam todos no meu pé e quando estou sozinha, ninguém me quer". A resposta dada sabiamente pelo tal moleque é de que a garota ficava mais bonita e divertida quando estava apaixonada.

Sabemos hoje que quando nossos corações batem a mais por alguém, o restante do mundo parece nos notar. Eu fiquei um ano amargando o fim do meu último namoro. Não fiquei jogada às traças, não perdi a esperança no amor, não jurei para mim que ficaria sozinha, pois estaria melhor assim, não passei a abominar a espécie masculina e nem cogitei mudança de time. Ao contrário, fui busca-lo como aliado, deixei o coração bem aberto para dar aquela ventilada e torci mesmo para me apaixonar logo.

Foi uma história atrás da outra e claro, algumas delícias e outras frustrações.

E enquanto rola esse vai e vém de pessoas nas nossas vidas, algumas vezes somos surpreendidos por alguém que revira nossos olhinhos e nos causa aquele friozinho na barriga! A gente se joga.

E então, o tal, finalmente enterrado após um ano, reaparece cheio de glória. Um ano fingindo que você não existe e então ele parece sentir os bons fluídos que andam em torno de você e resolve invadir sua vida.

Para alguém que nunca fez uma surpresa sequer, aparecer na sua casa em plena 1h da madrugada para convida-la para uma cerveja é de cair o queixo. E aí você pergunta: o que ele quer agora?

Finge que não quer nada. Invade seu apartamento, se joga no seu sofá, toma seu vinho, passa as mãos nos seus cabelos, pega na sua mão, olha fundo nos seus olhos e insiste para sair com ele. Você está descabelada, enfiada numa micro-saia, que foi o que deu tempo de vestir para abrir a porta, bocejante, virando uma taça de vinho para tentar entender tal comportamento excepcional.

Não faz perguntas. Ambos fingem que o tempo não passou, que agora são amigos, você quer dispensa-lo, mas demora um pouco para conseguir. Quando finalmente ele vai embora, você fecha a porta, se joga na sua cama, que agora parece tão grande e vazia, e se entrega à maldita insônia que a abate após tal episódio.

Por que eles retornam? Não sei, mas parece que querem aterrorizar a sua vida.

E de repente ele passa a ligar frequentemente, muitas vezes inventando desculpas esfarradas, alegando ligação por engano até que em plena sexta-feira, ele toma coragem e a convida para um cinema, que você não está afim.

Ficou meses tentando entender o porque ter terminado daquele jeito, chorou como louca, ligou e não foi atendida, foi deletada do msn dele, enviou email e não teve resposta e então, se cansou e virou a página, claro que muito lentamente. E quais ventos o traz de volta? Talvez não descubra nunca.

Como no primeiro encontro, você apenas ficou curiosa, mas não chegou a se comover, não vê mal algum em topar um café, já que o cinema acha arriscado demais, pois vai que ele pega na sua mão, passa a mão nas suas pernas e aproveita o escurinho para te beijar e o pior, você não consegue resistir?

Tudo pensando: ele aparece com cabelo novo e justamente do jeito que você sempre disse que adorava, mas ele não cortava só para não fazer seu capricho. Está vestido do jeito que você gosta, mas que não é muito o estilo dele. Sorrisão estampado e cara de quem não quer nada.

Tomam café, você fala compulsivamente por 8 minutos até ser cortada, então você pára, respira e deixa as coisas por conta dele. Nada se revela. Absolutamente nada. Ele quer ser seu amigo? Você busca sinais. Nenhum. Ele ainda volta a insistir no cinema, mas você recusa alegando indisposição pós-gripe.

Vão embora, se despedem com um beijo rápido no rosto e ficam de se falar. Você parte com um clima estranho e não sabe exatamente o que está sentindo, afinal ele fica tão gato com a cabeça raspada. E a pergunta volta: por que agora?

Escrito por Desiree às 17h35
[] [envie esta mensagem]



Usando camisinha
Ontem passeando num blog, achei uma pesquisa bem curiosa de como o italiano lida com a camisinha. Vejam o resultado dos 1600 que foram entrevistados sobre tal apetrecho:

65% não usam porque camisinhas custam caro
41% porque é vergonhoso comprar nos supermercados ou farmácia
22% porque é complicado usar
58% pois não querem parar as preliminares e estragar aquele atmosfera de tesão
49% porque o preservativo reduz a satisfação
42% porque não é natural fazer sexo com camisinha

O que me assusta é que nem sempre somos tão cuidadosos como deveríamos. Eu já cometi meus deslizes e quase arranquei os cabelos, bati na minha cara e fiquei uma hora ajoelhada no milho para aprender a me comportar como uma moça moderna. Essa pesquisa bem que poderia ser adaptada ao Brasil numa boa, porque eu acredito que muita gente por aí não usa camisinha, basta ver como os moçoilos se comportam quando estão conosco.

- Você tem camisinha? - ela pergunta

[cara de decepção]

- Não tenho.

- Então não rola.

- Só um pouquinho.

E se deixar, rola tudo e todos acham que gozando fora não há qualquer risco. Aham...

Eu tinha vergonha de comprar camisinha, mas como vi que a maioria dos homens não carregam a bendita com eles, achei melhor ficar prevenida para eventuais aventuras. Hoje compro na boa e quem diz que é complicado usar, que é caro e que a camisinha reduz o prazer, é porque não entende nada sobre sexo. Claro que sem ela é muito melhor, mas não dá, né? Então vamos tirar proveito da borrachuda e usar a criatividade.

Escrito por Desiree às 10h35
[] [envie esta mensagem]



[ ver mensagens anteriores ]