Minhas paixões em 2007
2007 foi um ano que eu me apaixonei algumas vezes. Contando nos dedos foram quatro as vezes. Claro que neste número eu tirei as ameaças, que são as pessoas que somem antes mesmo de provocar um friozinho maior na barriga.

Cada uma foi uma história diferente e uma substituiu a outra. As quatro também tiveram relevância e intensidade diferentes, mas nenhuma foi menor que a outra.

A primeira paixão veio em formato de presente de natal. Lembro-me ainda eu na pista de dança na festa de natal e ele, com quem eu tinha esbarrado dois dias antes, me olhando com um sorriso maroto no rosto até eu ser levada pelo champagne para os seus braços. A história virou o ano e se não fosse o receio de ambos em se envolver, ela teria ido além do carnaval. Não vingou porque todo mundo resolveu meter o bedelho. No carnaval ele já estava nos braços de uma amiga e eu embarcando na minha segunda paixão do ano.

Ele era amigo de amigos em comum e sabia quem eu era. Eu não tinha a menor idéia até ele começar a falar comigo pelo orkut como se me conhecesse. Perguntava porque eu não tinha ido a tal festa, que tinha gostado do meu vestido verde. Não demorou muito para ele aparecer no meu msn e começarmos nossas trocas de torpedos. Isso tudo foi enquanto eu ainda estava embalada na primeira paixão. Tentei não dar muita vazão à minha curiosidade para não atrapalhar algo que eu estava tentando deixar bem. Não teve como.

Quando vi eu estava abrindo a porta da minha casa, ele entrando sem qualquer cerimônia para uma tarde regada a cerveja, conversas pelos cotovelos, risadas e quando me dei conta eu já tinha sucumbido aos seus beijos. Foi início de uma daquelas paixões avassaladoras que tiram nosso sono, nosso apetite, nos causam devaneios, dores de cabeça, palpitação no coração, ansiedade e ódio em algumas das vezes. Essa paixão passou o carnaval, a semana santa, a páscoa e foi até o meu aniversário, já no meio do ano, quando eu recebi no meu orkut uma resposta mal-educada de um sujeito que eu mal conhecia em resposta ao meu convite de aniversário.

Eu estava em uma festa quando ele apareceu. Eu nutria uma certa antipatia porque tinha achado tal atitude desnecessária. Quando ele sorriu para mim, eu vi que tinha me enganado. Passamos a noite falando sobre bandas, filmes, livros, rindo até fugirmos da festa para comer alguma coisa e voltando para pegar as coisas já com o sol raiando. Depois comecei a desencanar da segunda paixão e curtir minha nova história que durou até o dia em que ele disse que eu parecia não precisar de alguém e parece que tal independência o assustou. A essas alturas um quarto já me provocava e devido à indecisão do terceiro, eu decidi deixar rolar para ver até onde a história iria dar e foi aí que eu tropecei e caí de cara no chão na nova história.

Ele é engraçado, inteligente, tem um monte de afinidades comigo, quando conseguimos nos encontrar é difícil nos despedirmos. Sua displicência que me enlouquece, me prende. Uma hora está próximo, outra é o mais distante. Não sabe muito o que quer e parece não querer. É o tipo que os amigos já reprovaram há tempos, mas como sou geminiana eu insisti para que fosse um pouco além, mas parece não ter sobrevivido ao movimento do final de ano. Apenas lamento e desta vez o quinto não chegou, mas eu não tenho pressa.

O balanço de tudo isso é que 2007 foi um ano movimentado e cheio de emoções. O coração palpitou a maior parte do tempo, roí unhas, parei, ri e chorei. Tive experiências ótimas, vivi histórias interessantes que me ansiaram por mais. Algumas vezes foram possíveis, outras não. Eu olho à minha volta e vejo amigas reclamando que nada acontece, por isso eu não ligo até onde foi, mas o que rolou enquanto durou.

Feliz 2008 e que seja um ano recheado de tantas histórias ótimas como 2007 foi!

Escrito por Desiree às 18h15
[] [envie esta mensagem]



[ ver mensagens anteriores ]